Monday, August 31, 2015

Ignacio Manuel Altamirano - Los Naranjos






Ignacio Manuel Altamirano - Los Naranjos


Poesía en Español


Ignacio Manuel Altamirano - Los Naranjos


Perdiéronse las neblinas
En los picos de la sierra,
Y el sol derrama en la tierra
Su torrente abrasador.
Y se derriten las perlas
Del argentado rocío,
En las adelfas del río
Y en los naranjos en flor.

Del mamey el duro tronco
Picotea el carpintero,
Y en el frondoso manguero
Canta su amor el turpial;
Y buscan miel las abejas
En las piñas olorosas,
Y pueblan las mariposas
El florido cafetal.

Deja el baño, amada mía,
Sal de la onda bullidora;
Desde que alumbró la aurora
Jugueteas loca allí.
¿Acaso el genio que habita
De ese río en los cristales,
Te brinda delicias tales
Que lo prefieres a mí?

¡Ingrata! ¿por qué riendo
Te apartas de la ribera?
Ven pronto, que ya te espera
Palpitando el corazón
¿No ves que todo se agita,
Todo despierta y florece?
¿No ves que todo enardece
Mi deseo y mi pasión?

En los verdes tamarindos
Se requiebran las palomas,
Y en el nardo los aromas
A beber las brisas van.
¿Tu corazón, por ventura,
Esa sed de amor no siente,
Que así se muestra inclemente
A mi dulce y tierno afán?

¡Ah, no! perdona, bien mío;
Cedes al fin a mi ruego;
Y de la pasión el fuego
Miro en tus ojos lucir.
Ven, que tu amor, virgen bella,
Néctar es para mi alma;
Sin él, que mi pena calma,
¿Cómo pudiera vivir?

Ven y estréchame, no apartes
Ya tus brazos de mi cuello,
No ocultes el rostro bello
Tímida huyendo de mí.
Oprímanse nuestros labios
En un beso eterno, ardiente,
Y transcurran dulcemente
Lentas las horas así.

En los verdes tamarindos
Enmudecen las palomas;
En los nardos no hay aromas
Para los ambientes ya.
Tú languideces; tus ojos
Ha cerrado la fatiga
Y tu seno, dulce amiga,
Estremeciéndose está.

En la ribera del río,
Todo se agosta y desmaya;
Las adelfas de la playa
Se adormecen de calor.
Voy el reposo a brindarte
De trébol en esta alfombra
a las perfumadas sombras
De los naranjos en flor.

Ignacio Manuel Altamirano (1834—1893).

Foi um escritor mexicano.








Links


Sanderlei Silveira (website)

Curso de Inglês (Blogger)

Curso de Espanhol (Blogger)

Audio Livro (Blogger)

Audio Book (Blogger)

Euclides da Cunha - Os Sertões (Blogger)

Lima Barreto - Contos (Blogger)

Poesia (PT) - Poetry (EN) - Poesía (ES) - Poésie (FR) (Blogger)

Poetry (EN) - Poesia (PT) - Poesía (ES) - Poésie (FR) (Blogger)

Poesía (ES) - Poetry (EN) - Poesia (PT) - Poésie (FR) (Blogger)

ssconsult.com.br

ss-solucoes.com

sanderlei.azurewebsites.net

poesia-sanderlei.azurewebsites.net

audio-book-sanderlei.azurewebsites.net

audio-livro-sanderlei.azurewebsites.net

curso-de-ingles-online-gratis-completo.azurewebsites.net

curso-de-espanhol-online-gratis-completo.azurewebsites.net


Sunday, August 30, 2015

William Butler Yeats - The Second Coming





William Butler Yeats - The Second Coming

Poesia em Inglês com Legenda em Português


William Butler Yeats - The Second Coming


Turning and turning in the widening gyre
The falcon cannot hear the falconer;
Things fall apart; the centre cannot hold;
Mere anarchy is loosed upon the world,

The blood-dimmed tide is loosed, and everywhere
The ceremony of innocence is drowned;
The best lack all conviction, while the worst
Are full of passionate intensity.

Surely some revelation is at hand;
Surely the Second Coming is at hand.
The Second Coming! Hardly are those words out
When a vast image out of Spiritus Mundi

Troubles my sight: somewhere in sands of the desert
A shape with lion body and the head of a man,
A gaze blank and pitiless as the sun,
Is moving its slow thighs, while all about it
Reel shadows of the indignant desert birds.

The darkness drops again; but now I know
That twenty centuries of stony sleep
Were vexed to nightmare by a rocking cradle,
And what rough beast, its hour come round at last,
Slouches towards Bethlehem to be born?



O segundo Advento - William Butler Yeats (PT)


Girando e girando em voltas mais amplas
O falcão não pode ouvir o falcoeiro;
As coisas se desfazem; não se mantém o centro;
Pura anarquia espalha-se mundo adentro,

A maré obscurecida de sangue se espalha, e em todo lugar
A cerimônia da inocência é afogada;
Aos melhores falta toda convicção, e os piores
Estão cheios de intensidade apaixonada.

Certamente alguma revelação está próxima;
Certamente o Segundo Advento está próximo.
O Segundo Advento! Mal proferidas estas palavras
Quando uma vasta imagem vinda do Spiritus Mundi

Ofusca minha visão: nalgum lugar, nas areias do deserto
Uma forma com corpo de leão e cabeça de homem,
Um olhar fixo e impiedoso como o sol
Está movendo as lentas coxas, enquanto sobre ela
Oscilam sombras de pássaros do deserto indignados.

A escuridão cai novamente; mas agora sei
Que vinte séculos dum sono profundo
Irromperam-se em pesadelo por um berço oscilante.
E a besta fera, sua hora enfim chegada,
Se arrasta até Belém para nascer?

William Butler Yeats ou W.B. Yeats(1865—1939).

Foi um poeta irlandês.

Atuou ativamente no Renascimento Literário Irlandês.







Links


Sanderlei Silveira (website)

Curso de Inglês (Blogger)

Curso de Espanhol (Blogger)

Audio Livro (Blogger)

Audio Book (Blogger)

Euclides da Cunha - Os Sertões (Blogger)

Lima Barreto - Contos (Blogger)

Poesia (PT) - Poetry (EN) - Poesía (ES) - Poésie (FR) (Blogger)

Poetry (EN) - Poesia (PT) - Poesía (ES) - Poésie (FR) (Blogger)

Poesía (ES) - Poetry (EN) - Poesia (PT) - Poésie (FR) (Blogger)

ssconsult.com.br

ss-solucoes.com

sanderlei.azurewebsites.net

poesia-sanderlei.azurewebsites.net

audio-book-sanderlei.azurewebsites.net

audio-livro-sanderlei.azurewebsites.net

curso-de-ingles-online-gratis-completo.azurewebsites.net

curso-de-espanhol-online-gratis-completo.azurewebsites.net


Saturday, August 29, 2015

Emily Dickinson - This Is My Letter To The World




Emily Dickinson - This Is My Letter To The World

Poesia em Inglês com Legenda em Português


Emily Dickinson - This Is My Letter To The World


This is my letter to the world,
That never wrote to me,--
The simple news that Nature told,
With tender majesty.

Her message is committed
To hands I cannot see;
For love of her, sweet countrymen,
Judge tenderly of me!



Emily Dickinson - Esta é a minha carta ao mundo (PT)


Eis minha carta ao Mundo
Que a Mim nunca escreveu
Singelas Notícias que a Natureza deu -
Com Majestade e Doçura

Sua mensagem se destina
A Mãos que nunca verei -
Por amor a Ela – doces conterrâneos -
Julgai-me com ternura

Emilly Elizabeth Dickinson (1830-1886) foi uma poetisa americana.

Considerada moderna em vários aspectos da sua obra.








Links


Sanderlei Silveira (website)

Curso de Inglês (Blogger)

Curso de Espanhol (Blogger)

Audio Livro (Blogger)

Audio Book (Blogger)

Euclides da Cunha - Os Sertões (Blogger)

Lima Barreto - Contos (Blogger)

Poesia (PT) - Poetry (EN) - Poesía (ES) - Poésie (FR) (Blogger)

Poetry (EN) - Poesia (PT) - Poesía (ES) - Poésie (FR) (Blogger)

Poesía (ES) - Poetry (EN) - Poesia (PT) - Poésie (FR) (Blogger)

ssconsult.com.br

ss-solucoes.com

sanderlei.azurewebsites.net

poesia-sanderlei.azurewebsites.net

audio-book-sanderlei.azurewebsites.net

audio-livro-sanderlei.azurewebsites.net

curso-de-ingles-online-gratis-completo.azurewebsites.net

curso-de-espanhol-online-gratis-completo.azurewebsites.net


Friday, August 28, 2015

John Keats - Ode on a Grecian Urn





John Keats - Ode on a Grecian Urn

Poesia em Inglês com Legenda em Português




John Keats - Ode on a Grecian Urn


I

Thou still unravish'd bride of quietness,
Thou foster-child of silence and slow time,
Sylvan historian, who canst thus express
A flowery tale more sweetly than our rhyme:
What leaf-fring'd legend haunts about thy shape

Of deities or mortals, or of both,
In Tempe or the dales of Arcady?
What men or gods are these? What maidens loth?
What mad pursuit? What struggle to escape?
What pipes and timbrels? What wild ecstasy?

II

Heard melodies are sweet, but those unheard
Are sweeter; therefore, ye soft pipes, play on;
Not to the sensual ear, but, more endear'd,
Pipe to the spirit ditties of no tone:
Fair youth, beneath the trees, thou canst not leave

Thy song, nor ever can those trees be bare;
Bold Lover, never, never canst thou kiss,
Though winning near the goal yet, do not grieve;
She cannot fade, though thou hast not thy bliss,
For ever wilt thou love, and she be fair!

III
Ah, happy, happy boughs! that cannot shed
Your leaves, nor ever bid the Spring adieu;
And, happy melodist, unwearied,
For ever piping songs for ever new;
More happy love! more happy, happy love!

For ever warm and still to be enjoy'd,
For ever panting, and for ever young;
All breathing human passion far above,
That leaves a heart high-sorrowful and cloy'd,
A burning forehead, and a parching tongue.

IV

Who are these coming to the sacrifice?
To what green altar, O mysterious priest,
Lead'st thou that heifer lowing at the skies,
And all her silken flanks with garlands drest?
What little town by river or sea shore,

Or mountain-built with peaceful citadel,
Is emptied of this folk, this pious morn?
And, little town, thy streets for evermore
Will silent be; and not a soul to tell
Why thou art desolate, can e'er return.

V

O Attic shape! Fair attitude! with brede
Of marble men and maidens overwrought,
With forest branches and the trodden weed;
Thou, silent form, dost tease us out of thought
As doth eternity: Cold Pastoral!

When old age shall this generation waste,
Thou shalt remain, in midst of other woe
Than ours, a friend to man, to whom thou say'st,
"Beauty is truth, truth beauty,—that is all
Ye know on earth, and all ye need to know."



John Keats - Ode a um vaso grego (PT)


I

Tu, noiva ainda não desvirginada da quietude,
Tu, criada pelo silêncio e o tempo lento,
Historiadora silvestre, que podes assim expressar
Um conto floral mais suave que nossa rima.
Que lenda de friso de folhas se oculta sob teu traçado

De divindades ou mortais, ou ambos,
No Tempe ou nos vales da Arcádia?
Que homens ou Deuses são eles? Que donzelas relutantes?
Que louca perseguição? Que luta para escapar?
Que flautas e pandeiros? Que êxtase selvagem?

II
As melodias são doces, mas aquelas não ouvidas
São mais doces; desta maneira, vós, suaves flautas, soai;
Não ao ouvido sensorial, mas, ternamente,
Toquem as melodias espirituais do não-som.

Belo jovem, sob as árvores, não deixarás
Tua canção, como jamais perderão as árvores suas folhas;
Amante audacioso, nunca, nunca beijarás
Embora perto de tua meta - não te aflijas;
Ela não se desvanecerá, e embora não tenhas o deleite,
Sempre amarás, e será ela sempre bela!

III
Ah! Os ramos alegres, alegres! Que não perdereis jamais
Vossas folhas, nem vos despedireis da primavera;
E, músico feliz, incansável,
A tocar melodias sempre novas;
Mais amor feliz! Mais feliz, feliz amor!

Eternamente cálido e para sempre a ser gozado,
Continuamente palpitante e sempre jovial;
Todos eles suspirando a intensa paixão humana,
Que deixa o coração aflito e saciado,
A cabeça quente, e a língua seca.

IV

Quem são aqueles indo ao sacrifício?
A que verde altar, Ó misterioso sacerdote,
Conduzes aquela bezerra berrante aos céus,
E todos seus sedosos flancos com guirlandas?
Qual cidade à beira da praia ou rio,

Ou na montanha cercada por muralhas,
Que está deserta, nesta sagrada manhã?
E, na pequena cidade, tuas ruas sempre estarão
Em silêncio, pois ninguém que poderia contar
Porque estás deserta voltará.

V

Ó estilo Ático, bela Atitude!
De homens e donzelas forjados em mármore,
Com ramos silvestres e relva pisada;
Tu, forma silente, arroja-nos ao sortilégio
Qual a eternidade: Fria Pastoral!

Quando a velhice arruinar esta geração,
Permanecerás, em meio a outro infortúnio
Que não o nosso, amigo do homem, a quem proferes,
“A Beleza é Verdade, a Verdade Beleza” - isto é tudo
O que sabeis na terra, e tudo o que deveis saber.

John Keats (1795-1821) foi um poeta inglês.

Foi uma dos principais poetas da 2º Geração do movimento romântico.











Links


Sanderlei Silveira (website)

Curso de Inglês (Blogger)

Curso de Espanhol (Blogger)

Audio Livro (Blogger)

Audio Book (Blogger)

Euclides da Cunha - Os Sertões (Blogger)

Lima Barreto - Contos (Blogger)

Poesia (PT) - Poetry (EN) - Poesía (ES) - Poésie (FR) (Blogger)

Poetry (EN) - Poesia (PT) - Poesía (ES) - Poésie (FR) (Blogger)

Poesía (ES) - Poetry (EN) - Poesia (PT) - Poésie (FR) (Blogger)

ssconsult.com.br

ss-solucoes.com

sanderlei.azurewebsites.net

poesia-sanderlei.azurewebsites.net

audio-book-sanderlei.azurewebsites.net

audio-livro-sanderlei.azurewebsites.net

curso-de-ingles-online-gratis-completo.azurewebsites.net

curso-de-espanhol-online-gratis-completo.azurewebsites.net


Thursday, August 27, 2015

Percy Bysshe Shelley - Ozymandias





Percy Bysshe Shelley - Ozymandias


Poesia em Inglês com Legenda em Português



Percy Bysshe Shelley - Ozymandias


I met a traveller from an antique land
Who said:—Two vast and trunkless legs of stone
Stand in the desert. Near them on the sand,
Half sunk, a shatter'd visage lies, whose frown

And wrinkled lip and sneer of cold command
Tell that its sculptor well those passions read
Which yet survive, stamp'd on these lifeless things,
The hand that mock'd them and the heart that fed.

And on the pedestal these words appear:
"My name is Ozymandias, king of kings:
Look on my works, ye mighty, and despair!"

Nothing beside remains: round the decay
Of that colossal wreck, boundless and bare,
The lone and level sands stretch far away.



Percy Bysshe Shelley - Ozymandias (PT)


Eu encontrei um viajante de uma terra antiga
Que disse:—Duas gigantescas pernas de pedra sem torso
Erguem-se no deserto. Perto delas na areia,
Meio afundada, jaz um rosto partido, cuja expressão

E lábios franzidos e escárnio de frieza no comando
Dizem que seu escultor bem aquelas paixões leu
Que ainda sobrevivem, estampadas nessas partes sem vida,
A mão que os zombava e o coração que os alimentava.

E no pedestal estas palavras aparecem:
"Meu nome é Ozymandias, rei dos reis:
Contemplem minhas obras, ó poderosos, e desesperai-vos!"

Nada resta: junto à decadência
Das ruínas colossais, ilimitadas e nuas
As areias solitárias e inacabáveis estendem-se à distância.

Percy Bysshe Shelley (1792—1822)

foi um dos mais importantes poetas românticos ingleses.








Links


Sanderlei Silveira (website)

Curso de Inglês (Blogger)

Curso de Espanhol (Blogger)

Audio Livro (Blogger)

Audio Book (Blogger)

Euclides da Cunha - Os Sertões (Blogger)

Lima Barreto - Contos (Blogger)

Poesia (PT) - Poetry (EN) - Poesía (ES) - Poésie (FR) (Blogger)

Poetry (EN) - Poesia (PT) - Poesía (ES) - Poésie (FR) (Blogger)

Poesía (ES) - Poetry (EN) - Poesia (PT) - Poésie (FR) (Blogger)

ssconsult.com.br

ss-solucoes.com

sanderlei.azurewebsites.net

poesia-sanderlei.azurewebsites.net

audio-book-sanderlei.azurewebsites.net

audio-livro-sanderlei.azurewebsites.net

curso-de-ingles-online-gratis-completo.azurewebsites.net

curso-de-espanhol-online-gratis-completo.azurewebsites.net


Wednesday, August 26, 2015

Elizabeth Barrett Browning - Sonnet 43 - How Do I Love Thee?





Elizabeth Barrett Browning - Sonnet 43 - How Do I Love Thee?


Poesia em Inglês com Legenda em Português




Elizabeth Barrett Browning - Sonnet 43 - How Do I Love Thee?


How do I love thee? Let me count the ways.
I love thee to the depth and breadth and height
My soul can reach, when feeling out of sight
For the ends of being and ideal grace.

I love thee to the level of every day’s
Most quiet need, by sun and candle-light.
I love thee freely, as men strive for right.
I love thee purely, as they turn from praise.

I love thee with the passion put to use
In my old griefs, and with my childhood’s faith.
I love thee with a love I seemed to lose

With my lost saints. I love thee with the breath,
Smiles, tears, of all my life; and, if God choose,
I shall but love thee better after death.

Elizabeth Barrett Browning (1806—1861)

was one of the most prominent English poets of the Victorian era.




Elizabeth Barrett Browning - Soneto 43 - Como te amo?


Como te amo? Deixa-me contar os modos.
Amo-te ao mais fundo, amplo e alto que
Minh'alma pode alcançar, além dos limites visíveis
E fins do Ser e da Graça ideal.

Amo-te até ao nível das mais diárias
E ínfimas necessidades, à luz do sol e das velas.
Amo-te com liberdade, como os homens buscam por Justiça;
Amo-te com pureza, como voltam das Preces.

Amo-te com a paixão posta em uso
Nas minhas velhas mágoas e com a fé da minha infância.
Amo-te com um amor que me parecia perdido

Com meus Santos perdidos - amo-te com o fôlego,
Sorrisos, lágrimas, de toda a minha vida! - e, se Deus quiser,
Amar-te-ei melhor depois da morte.

Elizabeth Barrett Browning (1806—1861).

Foi uma poetisa inglesa da época vitoriana.

Mulher do poeta Robert Browning.












Links


Sanderlei Silveira (website)

Curso de Inglês (Blogger)

Curso de Espanhol (Blogger)

Audio Livro (Blogger)

Audio Book (Blogger)

Euclides da Cunha - Os Sertões (Blogger)

Lima Barreto - Contos (Blogger)

Poesia (PT) - Poetry (EN) - Poesía (ES) - Poésie (FR) (Blogger)

Poetry (EN) - Poesia (PT) - Poesía (ES) - Poésie (FR) (Blogger)

Poesía (ES) - Poetry (EN) - Poesia (PT) - Poésie (FR) (Blogger)

ssconsult.com.br

ss-solucoes.com

sanderlei.azurewebsites.net

poesia-sanderlei.azurewebsites.net

audio-book-sanderlei.azurewebsites.net

audio-livro-sanderlei.azurewebsites.net

curso-de-ingles-online-gratis-completo.azurewebsites.net

curso-de-espanhol-online-gratis-completo.azurewebsites.net


Tuesday, August 25, 2015

William Shakespeare - Sonnet 18





William Shakespeare - Sonnet 18


Poesia em Inglês com Legenda em Português



William Shakespeare - Sonnet 18


Shall I compare thee to a summer's day?
Thou art more lovely and more temperate:
Rough winds do shake the darling buds of May,v
And summer's lease hath all too short a date:

Sometime too hot the eye of heaven shines,
And often is his gold complexion dimm'd;
And every fair from fair sometime declines,
By chance, or nature's changing course, untrimm'd;

But thy eternal summer shall not fade
Nor lose possession of that fair thou ow'st;
Nor shall Death brag thou wander'st in his shade,
When in eternal lines to time thou grow'st;

So long as men can breathe or eyes can see,
So long lives this, and this gives life to thee.

William Shakespeare(1564—1616)

was an English poet, playwright and actor.




William Shakespeare - Soneto 18 (PT)


Como hei de comparar-te a um dia de verão?
És muito mais amável e mais amena:
Os ventos sopram os doces botões de maio,
E o verão finda antes que possamos começá-lo:

Por vezes, o sol lança seus cálidos raios,
Ou esconde o rosto dourado sob a névoa;
E tudo que é belo um dia acaba,
Seja pelo acaso ou por sua natureza;

Mas teu eterno verão jamais se extingue,
Nem perde o frescor que só tu possuis;
Nem a Morte virá arrastar-te sob a sombra,
Quando os versos te elevarem à eternidade:

Enquanto homens houver, e olhos puderem ver,
Meu verso há de viver, e vida te dará.

William Shakespeare(1564—1616) foi um poeta e dramaturgo inglês.







Links


Sanderlei Silveira (website)

Curso de Inglês (Blogger)

Curso de Espanhol (Blogger)

Audio Livro (Blogger)

Audio Book (Blogger)

Euclides da Cunha - Os Sertões (Blogger)

Lima Barreto - Contos (Blogger)

Poesia (PT) - Poetry (EN) - Poesía (ES) - Poésie (FR) (Blogger)

Poetry (EN) - Poesia (PT) - Poesía (ES) - Poésie (FR) (Blogger)

Poesía (ES) - Poetry (EN) - Poesia (PT) - Poésie (FR) (Blogger)

ssconsult.com.br

ss-solucoes.com

sanderlei.azurewebsites.net

poesia-sanderlei.azurewebsites.net

audio-book-sanderlei.azurewebsites.net

audio-livro-sanderlei.azurewebsites.net

curso-de-ingles-online-gratis-completo.azurewebsites.net

curso-de-espanhol-online-gratis-completo.azurewebsites.net


Monday, August 24, 2015

Walt Whitman - Song of myself



Song of myself - Walt Whitman









Song of myself - Walt Whitman


I celebrate myself, and sing myself,
And what I assume you shall assume,
For every atom belonging to me as good belongs to you.
I loafe and invite my soul,
I lean and loafe at my ease observing a spear of summer grass.

My tongue, every atom of my blood, form’d from this soil, this air,
Born here of parents born here from parents the same, and their parents the same,
I, now thirty-seven years old in perfect health begin,
Hoping to cease not till death.

Creeds and schools in abeyance,
Retiring back a while sufficed at what they are, but never forgotten,
I harbor for good or bad, I permit to speak at every hazard,
Nature without check with original energy.

Walt Whitman (1819–1892)

was an American poet, essayist and journalist.




Walt Whitman - Canção de Mim Mesmo (PT)


Eu celebro o eu, num canto de mim mesmo,
E aquilo que eu presumir também presumirás,
Pois cada átomo que há em mim igualmente habita em ti.
Descanso e convido a minha alma,
Deito-me e descanso tranqüilamente, observando uma haste da relva de verão.

Minha língua, todo átomo do meu sangue formado deste solo, deste ar,
Nascido aqui de pais nascidos aqui de pais o mesmo e seus pais também o mesmo,
Eu agora com trinta e sete anos de idade, com saúde perfeita, dou início,
Com a esperança de não cessar até morrer.

Crenças e escolas quedam-se dormentes
Retraindo-se por hora na suficiência do que não, mas nunca esquecidas,
Eu me refugio pelo bem e pelo mal, eu permito que se fale em qualquer casualidade,
A natureza sem estorvo, com energia original.

Walt Whitman (1819–1892) foi um poeta americano.












Veja Também em:



www.sanderlei.com.br

poesia-sanderlei.azurewebsites.net

sanderlei.azurewebsites.net

Apoio:

www.ssconsult.com.br



Sunday, August 23, 2015

Robert Burns - A Red, Red Rose







Robert Burns - A Red, Red Rose

Poesia em Inglês com Legenda em Português



Robert Burns - A Red, Red Rose


O my Luve's like a red, red rose,
That's newly sprung in June:
O my Luve's like the melodie,
That's sweetly play'd in tune.

As fair art thou, my bonie lass,
So deep in luve am I;
And I will luve thee still, my dear,
Till a' the seas gang dry.

Till a' the seas gang dry, my dear,
And the rocks melt wi' the sun;
And I will luve thee still, my dear,
While the sands o' life shall run.

And fare-thee-weel, my only Luve!
And fare-thee-weel, a while!
And I will come again, my Luve,
Tho' 'twere ten thousand mile!



Robert Burns - Uma rosa vermelha (PT)


O meu amor é como uma rosa vermelha,
Que acaba de florescer em Junho.
O meu amor é como uma melodia
Docemente tocada com harmonia.

Tão bela tu és, minha maravilhosa donzela,
Tão profundamente apaixonado eu estou
Que eu te amarei ainda, minha amada,
Até que todos os mares sequem.

Até que todos os mares sequem, minha amada.
E as rochas se fundam com o sol;
E eu te amarei ainda, minha amada,
Enquanto as areias da vida correrem.

Mas adeus, meu único amor,
Oh, adeus por algum tempo,
E eu regressarei, meu amor,
Ainda que dez mil léguas nos separem.

Robert Burns (1759–1796)

Foi um poeta Escocês.










Veja Também em:



www.sanderlei.com.br

poesia-sanderlei.azurewebsites.net

sanderlei.azurewebsites.net

Apoio:

www.ssconsult.com.br